Últimas

Sem pressão da TV, Novo “Rebelde Way” tem finalmente a liberdade que precisa

Falaaa fãsss 🙋🏻‍♂️ Aqui estou eu, com novo post, dessa vez falando sobre a primeira versão de Rebelde Way sem ser televisionado, sem a pressão por pontos de audiência e restrição de idade. Let’s gooo!!!

Assim que surgiu na televisão argentina em 2002, “Rebelde Way” chamou atenção pela ousadia… Imagina você ligar a TV e ver uma estudante de ensino médio fazendo striptease para os pais de alunos em um evento de uma escola elite? É uma cena marcante (para os jovens dos anos 00’s) e chave do primeiro capítulo, presente em quase todos os remakes e que ajuda no decorrer das próximas cenas, apresentando de forma dramática a história de cada um, e suas necessidades que a falta paternal ou familiar causaram. Assuntos como drogas e sexualidade ainda eram novidades para uma trama jovem e a ousadia de trazer a “vida real” para a teledramaturgia fez de Rebelde Way o programa de maior audiência durante sua exibição na Argentina.

Em 2004, a Televisa a sua versão da produção argentina, titulado apenas de “Rebelde”, dessa vez com o Pedro Damián na frente, conseguiram trazer o gás, atuações icônicas, figurinos impecáveis, cenários luxuosos e toda necessidade que a versão original não conseguiu trazer, visualmente.

Rebelde é a melhor versão de “Rebelde Way”, é inquestionável debater a atuação vivida pelos protagonistas. A Anahí, Dulce Maria, Christian Chávez, Christopher Uckermann, Poncho e Maite Perroni conseguiram eternizar seus personagens com a atuação, carisma e apesar das cenas serem praticamente a mesma coisa, em alguns casos até com a mesma fala que o original argentino, os ricos cenários em detalhes e a emoção passada eternizaram a imagem que temos do Elite Way School.

Claro, apesar do sucesso do RBD, isso também não desmerece Erreway e toda trajetória que viveram com seus fãs. Rebelde Way também foi um fenômeno e até hoje mantém sua fanbase firme e forte, com fãs publicando posts diários nas redes sociais. Dependendo do país que você ler isso, Erreway pode ser sua maior lembrança sobre a escola.

Apesar da ousadia e toda história proposta nas versões anteriores, era nítido um fator que sempre foi prejudicial: a própria TV. Números de audiência sempre foram um fator primordial para decidir o decorrer da trama. É notório na maioria das versões a tentativa de infantilizar ou trazer para o lado da comédia na tentativa de minimizar alguns assuntos polêmicos que a história pedia. Mas que em alguns momentos também acabaram não dando muito certo, como na versão brasileira, que optou seguir uma história original. Acredito que a falta de criatividade dos autores fez a história se perder. A tentativa de fazer uma versão para a “família” incluindo assuntos mais leves, infantilidade, assuntos sem anexos como RPG, foco no elenco adulto e textos fracos foram os motivos que levaram ao cancelamento na segunda temporada. Não é isso que “Rebelde Way” se propõe a trazer.

Preparando a sua versão, a Netflix tem nas mãos a liberdade de trazer todo peso e drama que a história necessita. Como sabemos, o Manuel busca incansavelmente a vingança do seu rival milionário, que no caso é pai da Mia, a mais popular da escola. O ódio inicial que Manuel sente pela Mia por ser filha dele permanece supérfluo em todas versões, acredito que dá para abordar isso de forma mais rica, emotiva. Entre outros temas também, como a seita, que repudia os bolsistas da Elite Way School, seria interessante usarem a tecnologia, redes sociais para um suspense maior… Entre outros temas.

E você? Qual sua expectativa? Não esqueça que a primeira temporada de Rebelde da Netflix deve sair ainda esse ano e deve contar com o lançamento das músicas nas plataformas digitais. 🙋🏻‍♂️

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *